sábado, 18 de junho de 2005

Surtos de alegria em meio a uma infelicidade passageira (porque toda infelicidade é passageira) e o beijo no completo estranho.

Aí eu quis chegar e dar um beijo naquele cara. Não um beijo na boca, ou na bochecha, ou na mão, ou no cabelo. Eu quis dar um beijo naquele Cara. Ele estava com um fone de ouvido e o seu corpo balançava perigosamente. Perigosamente para mim, que poderia, de uma hora para outra ser esmagado pelo enorme corpo gordinho do cara. Ele dormia desconfortável, o corpo balançava, a cabeça batia no vidro, ele meio que acordava e meio que continuava a dormir e logo estava dormindo inteiro de novo. Pois eu até ri dele, afinal, era uma situação engraçada. Tinham vários bancos duplos vazios, mas para quê? Por que eu deveria trocar de lugar? Estava me divertindo, não estava o atrapalhando. Por que as pessoas andam com antropofobia. Não só antropofobia como outras fobias também. Fobia fobia, afobado, atendeu o telefone de uma forma que o ônibus inteiro podia ouvir, só não machucou os meus pobres tímpanos porque eu não sou fresco de ficar dizendo que o tímpano tá doendo. Não sou. Não importa que eu reclame várias vezes que o meu tímpano doa quando falam um pouco mais alto; eu não sou fresco. Só me faço de medroso. Eu tenho medo, sim é de cair da cachoeira. De cair da cachoeira e de ver gente caindo de cachoeira. E tenho medo de perder você. Mas você me convence que isso é bobagem. Eu também tenho medo de perder você, e você e você e você. Mas principalmente você. Eu sempre acabo sendo convencido de que é uma bobagem. Por você e, quando não, por mim. Mesmo.
(rascunhado no dia 15/06)
Hoje,
conversa,
Futuro
Passado
Tempo
Socorro: A Vida
Abertura amorosa. Pode ser a alguém, sim. Pode ser a Deus e pode ser ao Mundo.

T: Yuri, eu acho que eu já perguntei, mas vou perguntar de novo.
Y: Pergunte.
T: Você acredita em Deus?
Y: [Sorriso.]

Ah!... Acredito...

T: Nossa, meu, eu te amo!

Engraçadinho.
Porque eu também não acredito em Deus. Nem num domínio de Deuses; nem no Caos Primordial.

Valha-me Nossa Senhora,
Mãe de Deus de Nazaré!

Com sotaque brasileiro-nordestino.
Assim... tipo o Papai Noel.
Cabra arretado!

EuentenderoMundoevocêquerentenderoHomem(ouvocêmesma),porqueassimquevocêentendervocê
mesmavocêvaientenderoHomem.EuMundoTuHomemEuHomemTuMundo.

Todo Viver Real é Encontro, afinal. Valeu, Martin Buber.

Falou.
Falaste.


Mundão, Homenzarrão, Vidão.

Música serve pra isso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário