quinta-feira, 13 de abril de 2006

Autilinha.
Como pode fazer isso, Autilinha?
Te amo, minha vó.
O Silva... Te ama, minha vó.
Meu pai te ama.
Uma morte sem fantasmas.
Nenhum fantasma vem me assombrar.
Que saudade esfumaçada.
Ainda pinta os lábios, pinta o rosto.
E ri.
E diz palavrões, minha vó.
E nos gosta.
Fica em paz, meu pai.
Chora mesmo.
Também eu quero chorar.
Não foi nada. Nem Deus. Nem você.
Acalma.
Entristece.
Leoni! Adeus, minha vó.
Viveste bem.
E riste.
Adeus.

Nenhum comentário:

Postar um comentário