domingo, 26 de novembro de 2006

As várias coisas destes dias

Amor: "E ninguém nem percebia / que o real e a fantasia / se separam no final" (Elomar)
Mas aí é que tudo acontece.


Teatro: "Palmas pro artista confundir / pernas pro artista tropeçar" (Edu Lobo e Chico Buarque)


E dá a impressão de que a vida foi ontem.

Vestibular: "E mesmo que não estude, ele embroma / com tanta perfeição que sempre saia com um diploma" (Grupo Rumo)

Provinha teste...

Crianças: "Já vou embora, mas sei que vou voltar / Amor não chora, se eu volto é pra ficar" (Geraldo Azevedo e Geraldo Vandré)

São boas as mãos que ficam. E eu volto, claro.

Morumbi: "Quando vires um camponês / Põe-te logo à espreita / Tira-lhe o que puderes / Um tostão que seja / Mete-o em cordas / Dá-lhe muitas sovas / Amassa-o, enfia-lhe o punhal / Tortura-o, queima-o, enforca-o / E cospe no final" (Companhia do Latão)

Um dia os portões se abrirão.

2 comentários:

  1. é.... quem sabe amanhã o público vêm...

    ResponderExcluir
  2. Muito assim, não é? Os ventos mudam, voltam, passam rindo, sussurram:...

    ResponderExcluir