segunda-feira, 18 de fevereiro de 2008

26 - Classe

4 comentários:

  1. A repugnância ao matar coletivamente é de origem assaz moderna. Não se deve superestimá-la. Ainda hoje, pelos jornais todos participam das execuções públicas. Como tudo, também isso fez-se apenas mais confortável. Sentado tranquilamente em casa, o homem pode, dentre centenas de detalhes, deter-se naqueles que mais o excitam. A aclamação só se dá depois de tudo terminado; nem o mais leve vestígio de culpa turva o prazer. Não se é responsável por coisa alguma: nem pela sentença, nem pelo jornalista que testemunhou-lhe a execução, nem por seu relato, nem mesmo pelo jornal que publicou tal relato. Mas sabe-se mais a respeito do ocorrido do que em tempos passados, quando se tinha de caminhar e permanecer de pé durante horas para, por fim, ver apenas muito pouco. No público formado pelos leitores de jornal conservou-se viva uma massa de acossamento abrandada, mas, em função de sua distância dos acontecimentos, ainda menos responsável; conservou-se aí, é-se tentado a dizê-lo, a sua forma ao mesmo tempo mais desprezível e estável. Como sequer precise reunir-se, ela evita também sua desagregação; a repetição cotidiana do jornal a provê de variedade.

    CANETTI, Elias. Massa e Poder. p51. Trad. Tellaroli, Sérgio. Cia das Letras, São Paulo:1995

    ResponderExcluir
  2. essa parte final da contraposição entre a repetição e a variedade foi a que eu mais gostei.
    tem tanta coisa que me irrita nos jornais, hoje, por exemplo, eu nem li, cansei...
    é o culto a falsa imparcialidade, a repetição da notícia, textos mal escritos, jogo de interesses, entre tantos.
    enfim, hoje eu tirei o dia pra comentar nos blógues alheios.

    ResponderExcluir
  3. Gostei muito do seu blog.
    Eu tava pensando, se scaneasse (palavra estranha, neologismo?) todos os meus rabisquinhos de pé de página, não teria espaço num blog só. Geralmente rabisco mais que anoto a aula. E ás vezes eles dizem muito mais que palavras =}

    Biazinha, a irmazinha.

    ResponderExcluir
  4. Não li o texto. ;x

    Ah, Yuri, gosto tanto dos teus comentários no meu blog...

    Sabe, eu descobri há uma semana que você que tinha escrito aquele texto!

    ResponderExcluir