segunda-feira, 9 de março de 2009

Ao fim

Recriado o universo, da forma mais brilhante possível: a que permite recomeços. O clássico voltou a ser igual, fim dos tabus, empate.


Um a um, que logo voltará ao zero a zero; acabou-se a contagem do tempo sem gols, do tempo sem jogar, do martírio das segundas divisões.

O próprio clássico renasce: ressurge o maior fenômeno, desta vez com a camisa alvinegra. Ressurge o último minuto e o oportunismo. Está para nascer o novo rei. E está para nascer o próximo Palmeiras e Corinthians, grande, enorme, como sempre foi e sempre será.

Se da última vez, o mundo amanheceu verde, amanhã - veja só - amanhece. E só.

(E, claro, ressurge o mundo, a rotina, a segunda feira, o dia da mulher, o texto para ler, o beijo para trocar. Todos eles, muito melhores, no vir-a-ser.)

Um comentário:

  1. nada mais justo. Começou como jogo, acabou como mito, igual para as duas partes.

    ResponderExcluir