quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Por que votarei em Dilma (texto de Márcio Reverbel e Daniel Reverbel)

Nota do blog: recebi o texto abaixo do amigo Marcio Reverbel, há poucos minutos e ajudo a divulgar por aqui, porque é um ótimo levantamento e responde a maior parte das críticas toscas que a gente tem ouvido por aí.

Pessoal, segue um texto de autoria minha e de meu irmão. 
Aviso desde já, o texto é gigante. Pedimos desculpas por eventuais erros de digitação, ortografia, concordância, etc...

O Voto Consciente


“O pior analfabeto é o analfabeto político. Ele não ouve, não fala, nem participa dos acontecimentos políticos. Ele não sabe o custo de vida, o preço do feijão, do peixe, da farinha, do aluguel, do sapato e do remédio dependem das decisões políticas. O analfabeto político é tão burro que se orgulha e estufa o peito dizendo que odeia a política. Não sabe o imbecil que, da sua ignorância política, nasce a prostituta, o menor abandonado, e o pior de todos os bandidos, que é o político vigarista, pilantra, corrupto e lacaio das empresas nacionais e multinacionais." Bertold Brecht

O objetivo inicial do texto é discutir o processo de alfabetização política do cidadão. A conscientização política até pode ser incentivada com uma conversa, ou com um texto como esses, mas ela apenas se consolida com bastante pesquisa.
Este é um ponto fundamental, o qual as pessoas mais erram. A maior parte da população tem sua opinião política formada com base no "instinto do rebanho". As pessoas seguem a tendência de suas famílias e de seus amigos, sem realizar esforços para saber o que acontece no Brasil e no mundo. Assistem a propagandas e (às vezes) lêem notícias, porém, já com uma opinião formada -- descartando informações contrárias à sua posição e aceitando aquelas que lhe convêm. 
Um espírito crítico e uma mente aberta são necessários para a capacidade de mudar de opinião, ou seja, para a formação da cidadania e de uma sociedade democrática. Aquele que é incapaz de reconhecer um argumento autêntico, quando este lhe for apresentado, não passa de um objeto alienado, um cão treinado a sempre fazer as mesmas escolhas.

A busca por informação e a parcialidade da mídia

"(...) Neste país, ninguém tem que provar nada, é só acusar (...)" 
Luiz Inácio Lula da Silva

Um grande problema é encontrar fontes de informação confiáveis. Jornal Nacional, revista Veja, Folha, Estadão? (Palpite do pai, não, por favor!) Como saber se são confiáveis? "O jornalismo, ao menos o "sério", deveria informar os fatos, fazer análises, buscar os elementos ocultos que compõem o fato e seus desdobramentos." 
No link está uma reportagem pela Folha de São Paulo aonde o próprio jornal informa ter publicado uma ficha criminal falsa, alegando que a candidata do PT a presidência, Dilma Roussef, teria, entre outras coisas, participado do sequestro de Delfim Netto, durante a ditadura militar.
Este é um dos muitos exemplos em que a Folha de São Paulo perde a noção de jornalismo "sério". Nestas eleições, a grande imprensa tomou para si o papel de realizar propaganda política, e não de informar.


"(...) reproduzir as manchetes e o noticiário dos impressos na televisão, seja no telejornal de maior audiência ou no horário de propaganda eleitoral, é fundamental para atingir o objetivo comum: levar o candidato da oposição ao segundo turno, como aconteceu em 2006 (...)" Ricardo Kotscho

O artigo do site observatório da imprensa está um pouco desatualizado, pois foi publicado antes do 1o turno, mas a estratégia da imprensa não mudou: A imprensa apostou no jornalismo sujo -- em convencer o leitor que apenas lê as manchetes dos jornais. Dilma Roussef foi acusada em manchetes dos jornais Folha, Estadão e da revista Veja em repetidas edições. Mas na reportagem, vê-se que a acusação é infundada, apenas mais uma tentativa controladora da mídia PSDBista. 
Muitas pessoas vêem, lêem ou escutam algo sem questionar a parcialidade da fonte. O fato é que, em maior ou menor grau, todos os veículos de informação são parciais. 
O cenário atual de São Paulo é o seguinte: Toda a mídia impressa é pró-PSDB, com exceção da Carta Capital, e se dividem em dois tipos:
- A mídia que assume sua posição política perante o leitor (O Estado de São Paulo, por exemplo, já publicou um editorial oficializando que apóia o Serra). É uma postura muito mais correta.
- A mídia que se diz imparcial e igualitária na apresentação e análise dos fatos. Apresentam versões parciais como se fossem verdades puras. Neste grupo se encontram a Folha de São Paulo e a Veja. A Veja, apesar da não ser declaradamente tucana, não engana ninguém. Seu caráter "anti-PTista" é evidente. A Folha, por outro lado, ainda publica matérias que seriam contrárias à candidatura do Serra, mas há sempre uma sutileza no modo de fazê-lo. Matérias contra a Dilma sempre tem mais destaque, manchete na primeira capa, etc.

Por que PSDBista? A resposta é óbvia: dinheiro.


"Desde 2004, especialmente de 2007/2008 em diante, a FDE pagou no mínimo R$250 milhões (R$248.653.370,27) [valores não corrigidos] à Abril, Folha, Estadão, Globo/Fundação Roberto Marinho" 
(NaMaria, em entrevista a Viomundo)

O blog NaMariaNews é assumidamente PTista, mas defende seu ideal partidário sem abandonar o jornalismo "sério". Quem quer que seja o autor dos posts no blog tem a paciência de vasculhar todo o Diário Oficial de São Paulo (sabe, o site oficial do governo aonde são obrigados a informar o que acontece com o dinheiro público? Sim, isso existe!), e lá, obviamente, encontram-se alguns podres do tucanato paulista. O blog vem sendo reconhecido como referência de informação. No caso citado acima, vemos a absurda quantia de dinheiro que a secretaria da educação do governo paulista investiu na grande imprensa. O pior é que quase todos esses investimentos são feitos sem licitação:

"Viomundo — Todas essas compras são feitas sem licitação, mesmo? Isso não seria irregular?
NaMaria — A maioria é sem licitação. A lei da inexigibilidade de licitação – artigo 25 inciso I, da Lei 8666/93, permite isso. 
A questão é que os contratos, mesmo sem licitação, e a respectivas justificativas deveriam estar no Diário Oficial. Pelo menos 
esses negócios ficariam mais transparentes. Mas isso não acontece na maioria dos casos. (...)"
Durante seu governo em São Paulo, José Serra estabeleceu muitos contratos de compra de revistas e jornais para secretarias, escritórios e órgãos públicos do Estado. São contratos multimilionários e feitos sem licitação (o que não é ilegal, mas para mim, é um tanto claro que a compra da mídia não é particularmente ética), e principalmente, revistas e jornais investidos na educação pública. Os contratos feitos sem licitação garantem o interesse da continuidade do governo tucano no estado, pois qualquer mudança de poder pode cancelar o contrato multimilionário. E a atual crise global da imprensa escrita é algo bem sabido, mas por algum motivo que me escapa --não deixe de reparar na ironia-- não afetou os jornais impressos brasileiros com tanto peso. 
O apoio dos jornais paulistas ao PSDB estava garantido.

Outro poderoso veículo de informação a que temos acesso é a internet. Os blogs, como o NaMariaWeb estariam incorporando o antigo papel da imprensa. Temos jornalistas renomados como Luis Nassif (http://www.advivo.com.br/luisnassif/) e Rodrigo Vianna (http://www.rodrigovianna.com.br/) divulgando informações (e opiniões) a respeito dos acontecimentos no Brasil e no mundo. Para ser um pouco imparcial, também aviso que tem o blog do imbecil do Reinaldo Azevedo (http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/), mas já aviso, é muito fácil destruir qualquer texto que ele coloca lá, pois o homem tem fezes de George Bush na cabeça, ao invés de um cérebro (sim, ele é pró-republicanos). 
Encontramos todos os tipos de opinião na internet. O ponto negativo decorre justamente disso: Também tem muita mentira e bobagem.
Temos que ser capazes de distinguir verdades de mentira. Não adianta ter uma única fonte de informação. Para que não seja manipulado na tentativa de se informar, é necessário se submeter a argumentos de todas as partes e decidir qual acha mais válido. Precisa, portanto, cumprir a função de "advogado do diabo" (http://en.wikipedia.org/wiki/Devil's_advocate). 

Os jornais também não estão livres de mentiras... e esse tem sido um dos maiores problemas.
Exemplo de mentira na grande imprensa:
- A reportagem da capa da revista Veja deste último sábado (23/08/2010) traz a informação de que Pedro Abramovay teria reclamado a Romeu Tuma Júnior que está cansado de receber pedidos de Dilma e Gilberto Carvalho para fazer dossiês. A reportagem retrata o secretário da Justiça Abramovay como um trabalhador exemplar, que desabafa ao colega a tristeza de receber esses pedidos horríveis. Agora veja o que Pedro disse em entrevista ao G1:  
Desnecessário dizer que o escândalo é uma tentativa desesperada, por parte da Veja, de reduzir a intenção de votos a Dilma. A Veja não disponibiliza gravação, sequer uma transcrição do conteúdo supostamente gravado. Também é bom saber o histórico do outro personagem em questão: Romeu Tuma Júnior. (http://pt.wikipedia.org/wiki/Romeu_Tuma_J%C3%BAnior) Tuma foi secretário da Justiça antes de Pedro, e foi demitido por manter relações íntimas com o chefe da máfia chinesa de pirataria em São Paulo. Pedro Abramovay foi quem o sucedeu. Mas nada disso impediu a Veja de aceitar o testemunho de Tuma... afinal, por que ele iria mentir? Mas de qualquer modo... cadê a tal gravação?

(Neste link tem um livro, para download, que discorre do jornalismo atual, quem o faz e como.)

Informação, antigamente, era o jornal que providenciava. Atualmente, é você que vai atrás dela. A informação (boa ou ruim) está aí: no seu computador, no jornal de casa, na televisão. Mas (quase) nunca são encontrados ambos os lados da moeda num mesmo lugar.


Censura?

Liberdade de imprensa, direito da cidadania - 
 http://www.observatoriodaimprensa.com.br/artigos.asp?cod=612CID001

"(...) 
O Estado de S.Paulo, que vem publicando diariamente uma nota informando há quantos dias ele está sob censura, chegando agora a mais de 400 dias. Na realidade, não existe qualquer fato ou informação que ele, particularmente, esteja proibido de publicar por força de uma decisão judicial ou de imposição de alguma autoridade. Não há, portanto, qualquer censura limitando a liberdade de informação e expressão desse jornal. Ele vem usando a liberdade de imprensa, que lhe está plenamente assegurada, para divulgar diariamente, há muitos meses, uma informação que não é verdadeira."  Dalmo de Abreu Dallari
A enorme quantidade de ataques infundados que a grande imprensa fez a Dilma 
  
(como por exemplo, os repetidos dias em que eles associavam, em manchetes, o nome de Dilma a quebra de sigilo bancário de pessoas ligadas ao PSDB) 

 e ao PT, de maneira geral, fez com que o Lula se revoltasse e se manifestasse publicamente contra essa forma suja de propaganda por parte da imprensa. A imprensa aproveitou o discurso de Lula para acusar o PT de ser favorável a censura da mídia. Fato é que isso é simplesmente mais uma acusação infundada. Durante todo o governo Lula, não ouve censura de jornais por parte do PT.
O mais irônico é que os próprios jornais que alegam estar sobre censura, são responsáveis por controlar a informação passada por seus articulistas. Como exemplo, cito o caso da demissão de Maria Rita Kehl, ex-colunista do Estado de São Paulo. 
Esse foi o artigo que Maria Rita Kehl escreveu. Um artigo que defende o ponto de vista das classes sociais mais baixas das acusações ignorantes daqueles que são contra o Bolsa Família. É realmente um bom artigo, que não objetiva propagandear nenhuma partido, mas acaba, por consequência do assunto tratado, elogiando o governo Lula. Dias depois, Maria Rita Kehl foi demitida, veja por que:

"
- (...) acho que o presidente Lula e seus ministros cometem um erro estratégico quando criticam, quando se queixam da imprensa, da mídia, um erro porque isso, nesse ambiente eleitoral pode soar autoritário, mas eu não conheço nenhuma medida, nenhuma ação concreta, nunca ouvi falar de nenhuma ação concreta para cercear a imprensa. Não me refiro a debates, frases soltas, falo em ação concreta, concretizada. Não conheço nenhuma, e, por outro lado... [Maria Rita Kehl]
- ...Por outro lado...? [Terra Magazine]
- Por outro lado a imprensa que tem seus interesses econômicos, partidários, demite alguém, demite a mim, pelo que considera um "delito" de opinião. Acho absurdo, não concordo, que o dono do Maranhão (senador José Sarney) consiga impor a medida que impôs ao jornal O Estado de S.Paulo, mas como pode esse mesmo jornal demitir alguém apenas porque expôs uma opinião? Como é que um jornal que está, que anuncia estar sob censura, pode demitir alguém só porque a opinião da pessoa é diferente da sua?" [Maria Rita Kehl]

Também tem o caso em que o PSDB censurou pesquisas eleitorais realizadas no Paraná -- 
Também tem o caso em que a Folha de São Paulo censurou o site que a parodiava, a "Falha de São Paulo" -- 
Também tem o caso do afastamento de Heródoto Barbeiro após agressiva entrevista com José Serra sobre o preço dos pedágios em São Paulo -- 
-- http://www.observatoriodaimprensa.com.br/artigos.asp?cod=597IPB01 Enfim... a quantidade de casos de controle de informação por parte da mídia PSDBista foi fenomenal. Mas e o PT? Como disse Maria Rita Kehl, não conhecemos nenhuma ação concreta para cercear a imprensa.



Por que não o PSDB? 

Começo pelo mais óbvio: porque o próprio Serra nos recomendou não fazer isso! 

História antiga: O escândalo da quebra do sigilo fiscal da filha do candidato, onde "espiões do PT maliciosamente atacaram a inocente família do Serra procurando sujeira".
A acusação feita pelos jornais e por pessoas ligadas ao PSDB é extremamente hipócrita por dois motivos:  
- Primeiro, porque eles não tinham nenhum motivo para suspeitar do PT, ou mais especificamente, da Dilma. Mas fizeram questão de acusá-la.
- Segundo, porque há muito tempo, a filha do Serra trabalhou em uma empresa chamada "Decidir" (Com a irmã de Daniel Dantas, 

dono da Opportunity e

 que foi preso durante a operação Satiagraha, da PF). Esta empresa recebia dados do governo federal (FHC) para prestar um serviço de consultoria. Basicamente, a empresa dizia se uma pessoa era confiável financeiramente, baseada em informações sigilosas que conseguiam por baixo do pano. Não bastava isso, colocaram estas informações em um site de internet que era possível de ser acessado por qualquer um e a Folha de São Paulo, que hoje acusa ininterruptamente a Dilma de quebrar sigilo, se utilizou das informações sigilosas que tinham vazado na internet (o que é ilegal, diga-
se de passagem) para expor as mazelas financeiras de 18 deputados enrolados com cheques sem fundos.
Aqui estão os links:
Mas espere, a história fica melhor: Pegaram o culpado pela quebra de sigilo da filha do Serra. Não foi o PT. Não foi a Dilma. Foi um jornalista chamado Amaury Ribeiro Jr., a serviço de ninguém menos que Aécio Neves (PSDB), ex-governador de Minas Gerais.

- O Serra fez uma propaganda eleitoral que deixava a entender que ele era o responsável pela lei da ficha limpa, um projeto de autoridade popular.

- Devido a proposta do secretário da educação de José Serra no estado de São Paulo, Paulo Renato, de providenciar uma bolsa de 50 reais aos alunos que vão mal em matemática, para incentivá-los a fazerem as aulas de reforço. Detalhe: Paulo Renato foi ministro da educação no governo FHC. (

- O Serra prometeu logo no começo da campanha que não iria fazer "sucateamento de ministérios" -- a prática de dar o controle de um ministério para um partido aliado (corrupto, diga se de passagem) em troca de apoio na Câmara e Senado ("governabilidade") --, mas logo após o 1o turno o PSDB sondou o PV para tentar ganhar o apoio da Marina. (Note: o PV, que 
 

é MUITO podre de modo geral,
 
 rejeitou exclusivamente por vontade da Marina.)

- Durante o governo de Serra no estado de São Paulo, o salário dos professores do estado mais rico da Federação (SP, para os desinformados) era menor que o salário de professores das redes públicas estaduais do Acre, Tocantins, entre outros.

- Recentemente em campanha no nordeste, o Serra entrou em uma igreja no meio de uma missa com toda sua comitiva para fazer sua imagem de santo. Fotógrafos e equipes de filmagem invadiram o altar para ter melhor ângulo para a tiragem, e toda a comoção começou a dispersar o público com panfletagem política que faziam em nome da igreja. Quando o padre disse que toda aquela balbúrdia estava atrapalhando a cerimônia e que a igreja não fazia propaganda política, membros da comissão subiram no altar "xingando" o padre de petista. Eu não sou religioso, mas tenho algum grau de respeito à religião alheia, e acho que atrapalhar um momento sagrado de um grupo de pessoas é inadmissível. Não aguentei -- Links:
Este vídeo é impagável (
 
Gostei do subtítulo "a globo não mostrou")
 


- As propóstas do Serra são impossíveis de serem realizadas. A medida que a eleição se aproxima e ele fica atrás da Dilma, mais propóstas senciaconalistas. Prometeu, entre outras coisas, aumento do salário minímo para 600 reais em 2011, 
 

aumento da previdência social
 
, dobrar o número de famílias beneficiadas pelo Bolsa Família e adicionar um 13o para a bolsa: 


- Juntamente com posicionamento retrógrado contra a descriminalização do aborto, a legalização do casamento gay, e a legalização da maconha, Serra fez promessas de um governo quasi-teocrático: 
"Jesus é a verdade e a justiça." Pff... A última coisa que eu quero de um governador é que ele aplique o conceito de "verdade e justiça divina" em nós, "meros mortais". Desculpe, mas o estado é laico. Ninguém é ou deveria ser obrigado a responder em nome da fé cristã. A propaganda religiosa é apenas mais uma tentativa desesperada de atrair votos, mas, visto que a mulher de Serra já realizou aborto, provavelmente a propaganda religiosa não serviu de muita coisa para a campanha tucana.
Mais hipocrisia!! => Monica Serra, sobre a Dilma: "Ela é a favor de matar as criancinhas". - http://www.estadao.com.br/noticias/nacional,mulher-de-serra-faz-campanha-no-rio-e-ataca-dilma,609885,0.htm
O caso "Paulo Preto" (que não aparece nos jornais, por algum motivo) 

O problema das privatizações - 

Baixe o livro "O Brasil Privatizado", de Aloysio Biondi, jornalista econômico falecido em 2000. O livro revela quais foram os problemas da privatização das estatais brasileiras, quem foram os beneficiados, quem foram os prejudicados, etc... 

E se Serra ganhasse? - 




Por que o PT?

Compare o governo FHC com o governo Lula. Até na economia o governo Lula se deu melhor (visto que o Plano Real foi realizado durante o governo Itamar Franco, e que já tinha atingido tal grau de aprovação naquele governo que foi suficiente para eleger FHC.) Alguns dizem que as melhoras ocorridas durante o governo Lula são resultado também daquilo que foi providenciado pelo governo anterior. Mas se observar a taxa de crescimento do PIB, ou do decrescimento da miséria no país, entre outros (vide os infográficos), verá que há uma mudança nessa taxa coincidente com o início do governo Lula. Ou seja, a mudança de governo teve influência direta nessas áreas.

Entenda como e por que Serra afundaria o Brasil na crise mundial - http://www.youtube.com/watch?v=Ig9pE6qwzxw


Atenção: Veja os infográficos anexados!

Tópico 1
: Não é verdade que houve "aparelhamento da máquina administrativa" na Era Lula;
Tópico 2: Não é verdade que "houve mais corrupção no governo Lula"; pelo contrário, os últimos 8 anos foram marcados por um combate inédito a esse mal;
Tópico 3: Não é verdade que "a economia foi bem no governo Lula só porque este não mudou a política econômica de FHC";
Tópico 4: Não é verdade que o governo Lula "enfraqueceu as instituições democráticas"; pelo contrário, hoje elas são muito mais vibrantes e sólidas;
Tópico 5: A campanha de José Serra é baseada nas fanáticas campanhas da direita norte-americana, daí o perigo de referendá-la com seu voto.

ATENÇÃO: leia o texto de Ricardo Lins Horta.

Se é que é possível, os motivos para se votar na Dilma são ainda maiores do que os motivos para não se votar no Serra! Durante o governo Lula se deu o crescimento nas Universidades Federais (14 foram criadas) e o aumento do salário de seus professores, o aumento do salário mínimo, a queda no índice de desemprego (foram criados mais de 15 milhôes de empregos)... A pobreza caiu algo em torno de 43% (21 milhões de brasileiros saíram da miséria), teve um aumento significativo da produção e do crescimento interno graças a maior circulação no mercado e mais de 30 milhões de pessoas (meia França, não muito menos que uma Argentina inteira) subiram às classes ABC. Compare esses dados com os do governo FHC...

Etc... Vejam os links!!!

Após tudo isso, alguém ainda poderia acusar o PT de certas coisas, e com razão. Mensalão, caso "Erenice Guerra", etc... Enfim nenhum candidato é perfeito... ou melhor, nenhuma partido é perfeito.
Mas para cada uma dessas coisas ruins na história do PT, a campanha tucana oferece o seu análogo. O governo FHC também teve seu próprio mensalão, quando FHC comprou sua própria recandidatura (e se utilizou de outros recursos para conseguir ser reeleito: "
 Todo mundo se lembra que, em janeiro de 1999, a cotação do dólar, que valia pouco mais de um real, subitamente dobrou. Talvez não se lembre que isso ocorreu porque FHC tinha mantido artificialmente o câmbio fixo durante 1998, para ganhar a sua reeleição - que teve um custo altíssimo para o país - e logo depois, vitorioso, mudou o regime cambial"
 
 Ricardo Lins Horta).
O Serra tem a "sua própria Erenice Guerra", e ela se chama Soninha Francine: 
De brinde, vem o caso "Paulo Preto" - 

Mas, se temos uma imprensa que se coloca totalmente contra o PT (e vai continuar se colocando, pois Alckmin foi eleito, infelizmente), esse não seria já mais um motivo para elegermos Dilma? 
Assim, fica muito mais fácil mantermos o olho nela e em seu governo. Além disso, votar na Dilma significa dizer "não" a manipulação suja por parte da imprensa. 
Votar em Serra significa acatar e passa para os jornais a mensagem de que "deu certo, vocês nos manipularam". Votar nulo significa igualar os dois, mas isto também não é verdade... 

Dilma é muito melhor do que Serra.

Termino com dois vídeos. 

Um está no blog NaMariaNews. Um filho teu não foge à luta. Luta. -


Abraços a todos!

Márcio Reverbel 
e Daniel F. Reverbel 


Infográficos: clique para ver maior! 



Nenhum comentário:

Postar um comentário